«No mundo, há gente notável!»

24/02/10

SEGUIDORES, PARA A III EXPEDIÇÃO Á GUINÉ-BISSAU

Experiência única, em plena rota aventura, desde o Algarve até á Guiné-Bissau. A III Expedição (Madeira) Algarve-Guiné, parte dia 22 de Março de Portimão. Uma caravana solidária, que segue via terrestre, com dois contentores que seguirão por via marítima.
Toda a história, pode conhecê-la em... (VER)
ESCLARECIMENTO
Têm sido solicitado á Humanitarius, Associação promotora da III Expedição (Madeira) Algarve-Guiné, que publiquemos o "Road Book" do percurso, assim como detalhes de alojamento e muitas outras informações preveligiadas.
A Coordenação da expedição, já tinha informado, que por motivos vários, não publicará os seus locais de passagem, paragem, dias ou horas previstas, durante o seu roteiro, desaconselhando a publicação de diários de viagem, durante a incursão.
Existem razões para não assumir essa informação.
Poderá ser facultado o "Road Book", só em caso de confirmação de participação integrada na caravana.
É verdade, que existem blogues que dispõem dessas informações, e que em muitos casos podem ajudar a ter uma ideia, mas são da sua exclusiva responsabilidade. Coisa que, por razões várias, não assumimos.
A coordenação da Caravana Solidária 2010

ATRASO NOS FINANCIAMENTOS, ESTÃO A CRIAR EMBARAÇOS NO ENVIO DAS AJUDAS Á GUINÉ

Por: Helena Duarte
(A.H.A.S.I.)
Jornalistas africanos, questionam, para quando o envio dos contentores programados, de ajuda á Guiné-Bissau. A lógica destas questões, prendem-se com o anuncio inicial de uma data, que acabou por cair por terra. A falta de "patrocínio" ou financiamento dos contentores, estão a atrasar todo o processo, numa altura em que, já existem reservas de alojamento, confirmação de datas para a partida, actos protocolares assumidos, planos de férias consumados, e encargos legais também assumidos. Diz o Coordenador geral, aos jornalistas da Guiné-Bissau e outros correspondentes na diáspora - "O nosso trabalho com os nossos parceiros, foi cumprido... mas não terminado, isso só acontecerá, quando a nossa equipa, fazer aquilo a que se propôs, caso contrário, corre-se o sério risco de se cancelar a Expedição, e isso não pode acontecer, numa altura em que já existem muitos compromissos". - Acrescenta ainda...
"O transitário que connosco trabalha, já me informou dos Timmings para embarque, que terá de coincidir com a nossa chegada ao território e com esta falta de respostas e de agilização de quem pedimos apoio, o processo pode derrapar para um sério problema".
Os pedidos de apoio dirigidos, ainda não deram respostas, os dias passam-se, e todo o trabalho de meses, pode ficar em armazém.
O Coordenador da Humanitarius, assegura estar a ser muito cauteloso, tendo em conta que os organismos do estado, a quem cabe ajudar, no campo da Cooperação, também estão com dificuldades, mas convenha-mos, trata-se de 3 mil euros, só para um contentor.
No ano, em que a Associação algarvia, colocou no topo a Saúde e o Apoio social, conseguindo junto dos seus parceiros/Doadores, 43 toneladas de equipamentos para Hospitais, Apoio Social e Educação, as coisas não estão a corresponder ao esforço do movimento algarvio, ou ao esforço de todos aqueles, que se dispobilizaram a ajudar.
MECENATO SOCIAL, NÃO MEXE.
Trata-se de um instrumento legal, pouco ou nada utilizado, e que daria boas respostas a este tipo de problemas de "Subsídio dependência". A Humanitarius tem um Link para esclarecimento á sociedade civil, sobre esta matéria, numa janela dedicada no seu site, mas... sem reacções.

HUMANITARIUS, ACERTA PROTOCOLO PARA COOPERAÇÃO EM MOÇAMBIQUE

Após um levantamento realizado por dois amigos da Associação algarvia, que chegaram recentemente de Pemba (Moçambique), acordou-se rubricar um protocolo de cooperação, para colaborar nos domínios da ajuda a escolas e unidades de saúde. Manuel Filipe, produziu vários contactos institucionais, no sentido de perceber, onde são prioritárias, as dificuldades, neste "paraíso" do norte de Moçambique. A saúde e o ensino, têm aqui, sérias carências de meios.
Recursos humanos, são dos melhores, faltam são os meios para "crescer", no país que também ele cresce aos poucos.
A Humanitarius, propôs-se dar uma colaboração, criando uma linha de apoio, tal como o fez pela primeira vez com a Guiné em 2007. Um primeiro protocolo de cooperação, vai ser candidatado para obter ajudas, onde a prioridade, será justamente, fazer contactos com os doadores, no sentido de se enviar meios de diagnóstico e equipamentos médicos, dotando o Hospital de Pemba, com melhores condições de trabalho e assistência médica.
O mesmo acontece com as escolas do interior de Pemba, que estarão na "rota" desta cooperação.
Em Maio, o Coordenador da Humanitarius, seguirá com três observadores cooperantes em Pemba, para fazer uma avaliação dos meios necessários, fazer contactos com a representação diplomática Portuguesa, assim como abrir portas, para envio de equipamentos e materiais, para a saúde e educação.