«No mundo, há gente notável!»

12/12/09

O HOMEM QUE PEDIU E AGRADECEU A AJUDA DOS PORTUGUESES

QUASE UM ANO, APÓS A SUA MORTE, RECORDAM-SE OS AGRADECIMENTOS E O PEDIDO EMOCIONADO DE ALADI ABDUL FATI, PARA QUE OS PORTUGUESES, AJUDASSEM O SEU POVO. (COM VIDEO)Chefe tradicional de Tabanca, Aladi Abdul Fati, de étnia Mandinga, foi o homem que sempre esteve ao lado, dos militares Portugueses, aquando da guerra colonial. Numa entrevista concedida á nossa reportagem, para um tele-documentário, meses antes da sua morte, o "homem grande" do Saltinho, nunca se cansou de apelar aos Portugueses, que nunca esquececem o seu povo. Alidi, com os seus 80 e poucos anos, faleceu vitima de doença súbita. Comovido, com a presença de uma equipa de expedicionários, vindos do Algarve, Aladi Abdul Fati, recordou velhas memórias, onde partilhava a sua alegria e vivências com os homens militares, que sempre o trataram com respeito. Este lider étnico, confessou-nos ter um respeito muito grande por quem nunca deixou, de ajudar o seu povo, e foi um crítico muito duro, sobre a politica governativa do seu país, que disse ser "dernorteada e corrupta", referindo-se óbviamente, ao anterior governo. Aladi, rematou dizendo - " estava este país, muito melhor á 30 anos atrás, pelo menos, não havia fome e tanta miséria. A guerra? Essa era no mato".
Recorda-se um extracto da entrevista desse chefe de Tabanca, que garantiu á nossa reportagem, que os marcos da história da guerra colonial na Guiné, que ficaram junto á sua Tabanca, estavam sobre a sua protecção.
A sua alma poderá descansar em paz, com a certeza, que, do pouco que possamos levar de ajuda á Guiné, as crianças e mulheres da sua Tabanca, receberão o carinho dos Portugueses que respeitou.
Obrigado Sr. Aladi.
João Almeida

DOADORES PARTICULARES, PRESTAM-SE A AJUDAR

A III Expedição solidária á Guiné-Bissau, prevista para Março de 2010, está a mobilizar um grande "cordão solidário" de muitos cidadãos particulares, que confiantes na entrega directa ás populações mais carenciadas, na Guiné, sabem que a Humanitarius, as entregará com equidade, fazendo chegar todos os donativos, a essas populações mais isoladas no interior da Guiné-Bissau. Aliás, sempre assim foi.
Esta próxima jornada, vai ajudar por acção directa, várias familias em várias Tabancas, vai levar equipamento de suporte clinico ao Hospital de Comura, onde se encontram internadas, muitas crianças, bebés e mães seropositivas, contribuirá com a Pediatria do Hospital Nacional Simão Mendes, ainda o Orfanato Casa Emanuel, e a Escola de Cegos "Bengala Branca" e orfanato "Abelha Obreira".
Em matéria de saúde, a Humanitarius, considera justo e de relevante importancia, terminar o que se compremeteu, dar apoio á Unidade de Cuidados primários de saúde da Missão Católica de Buba, que provou a boa aplicação de todos os donativos, enviados em Fevereiro de 2009.
Dado que esta unidade de apoio e tratamento, serve um crescente número de utentes, e que procuram no desespero do sofrimento, a atenção e o carinho das voluntárias Franciscanas, considera a Humanitarius, ser apoiada em 2010.
SOCIEDADE CIVIL, ESTÁ A COLABORAR EM FORÇA
Desde o Porto, Lisboa, Odemira, Portimão, Algoz e Albufeira, pessoas sensiveis ás dificuldades que são conhecidas na Guiné, respondem da forma que podem e sabem.
Roupas, Brinquedos, Calçado, artigos de bebé, e muitas outras doações, fazem o ciclo de humanitários em torno de uma causa.
VOLUNTÁRIOS E SOLIDÁRIOS
Dentro de dias, começa a habitual azáfama, da selecção, separação e embalamento dos muitos donativos, que vão chegando. Com a colaboração da Associação Voluntários de Portimão, essa selecção, vai começar dentro de poucos dias. Um protocolo celebrado entre instituições, abriu portas a uma estreita colaboração, indespensável neste quadro. Também graças á colaboração do empresário Portimonense, Vasco Carapucinha, é possivel armazenar, as muitas toneladas de materiais e donativos variados, que chegam de vários pontos da região e do país. Mais uma vez, a sua disponibilidade, ficou bem patente. Recorde-se que o empresário, na anterior missão, doou mobiliário novo, para equipar uma escola em Buba, Colchões para várias familias de tabanca, entre muitas outras coisas.
Este ano, sensivel ás grandes faltas, para ajudar a dignificar a saúde na Guiné, Vasco Carapucinha, encetou contactos para que o CHBA, pudesse colaborar com equipamentos de suporte clinico. Embora os contactos já tivesse sido feitos, a sua colaboração agilizou, todo o processo. Pode-se dizer, que é um homem "Humanitarius", e que mais uma vez, a Associação algarvia, pode contar com a sua cooperação.