«No mundo, há gente notável!»

18/12/08

GREVE NO HSM FAZ COM QUE CRIANÇAS SAIAM COM ALTA "FORÇADA"

Cerca de metade das crianças internadas no Hospital Simão Mendes, na capital da Guiné-Bissau, abandonou os serviços de pediatria, que conta apenas com três enfermeiras devido à greve no sector da saúde, indicou a Lusa o director daquela unidade. Fernando Cabral indicou que os familiares das crianças preferem ir para casa "continuar o tratamento", uma vez que têm pouca assistência no hospital, onde a maioria do pessoal médico está de greve há 11 dias. "A greve está a afectar (os serviços da pediatria) e de que maneira, embora seja uma greve decretada pelos enfermeiros", disse Fernando Cabral, sublinhando que nos últimos dias foi obrigado a "dar alta forçada" aos doentes, passando a sua medicação para a via oral. O director dos serviços da pediatria confirmou que "muitas mães decidiram sair do hospital não porque as suas crianças não são atendidas mas porque a assistência é fraca". Fernando Cabral explicou que a essas mães é pedido que regressem ao hospital dois ou três dias após a saída da unidade para que as suas crianças possam ser controladas. Essa orientação, contudo, tem sido pouco seguida, disse o responsável. "Algumas mães já regressaram para um controlo, mas muitas não voltaram", indicou o médico pediatra. Oficialmente os médicos não estão de greve, mas o seu sindicato solidarizou-se com a paralisação decretada pelo Sindicato dos Técnicos da Saúde (STS), reclamando salários em atraso, o que leva a que muitos desses profissionais não compareçam no hospital. Por exemplo, os serviços de pediatria contam apenas com dois médicos de serviço e três enfermeiras. Antes da greve, os serviços da pediatria albergavam cerca de 120 crianças internadas, mas hoje esse número baixou para a metade, explicou ainda Fernando Cabral. Ainda assim, mantém-se o cenário de crianças deitadas com as respectivas mães nos corredores dos serviços de pediatria do Simão Mendes, considerado o hospital de referência da Guiné-Bissau. A Lusa constatou num corredor do rés-do-chão dos serviços da pediatria cerca de sete crianças doentes deitadas em pedaços de colchões ou panos. Nos quartos, o cenário é um pouco diferente. Vêem-se crianças deitadas, as mães sentadas na berma da cama e pouca ou nenhum pessoal de assistência médica. Confrontado com esta realidade, Fernando Cabral afirmou que os serviços da pediatria "têm pouca capacidade física" para responder à procura de "tantos doentes de Bissau e do interior do país". O director dos serviços da pediatria lembrou que a unidade, tal como todo o hospital Simão Mendes, foi construído ainda na época colonial numa altura em que Bissau "tinha uma população de cerca de 100 mil habitantes, mas hoje terá cerca de 500 mil".