«No mundo, há gente notável!»

02/11/10

E QUANDO CHEGA A HORA DA PAPINHA... (Com Vídeo)

Ás 08h a papinha (farinha de milho), depois de uma manhã de actividades escolares, vem o "lava mãos" e o almoço. Já são 12h. Aqui, será a ultima refeição do dia para as cerca de 100 crianças da escolinha de Sta. Teresinha de Lioce, arredores de Pemba. E só falamos desta, porque são mais cinco as escolinhas, administradas pela Missão Católica de Pemba, que «sobrevive» graças a benfeitores locais. Só que os Stock's, estão no fim. Assegura a religiosa Laura (Moçambicana), que existem dias, que só mesmo a farinha, ou algum arroz, podem complementar as faltas. Estas crianças, recebem nestas escolinhas, as primeiras orientações para a vida, aprendem regras, aprendem a ler e escrever, e num pulo, estão na escola primária. Durante este tempo, não estiveram a trabalhar, nem na mendicidade. Aqui recebem apoio, carinho e o importante de tudo, partilham no convívio com as outras crianças, a viver como crianças.
A Irmã Laura e o Padre Luis, confidenciam, as grandes dificuldades que sentem, para manter o ritmo destas escolinhas, sem que seja afectado o rigor e a qualidade das actividades.
Ora, acaba-se o óleo, ora acaba-se o leite em pó, ora acaba-se o açucar, equilibrar os stock's - diz o Padre Luis Figueiredo - não é tarefa fácil.
Todas as semanas, a carrinha da missão, leva sacos de arroz, óleo, batatas, tudo o que é possivel, para toda a semana das cinco escolas.
A Humanitarius, criou um programa de apadrinhamento escolar, desafiando as autarquias a tornarem-se padrinhos desta causa, com uma verba de € 500 (Quinhentos euros anuais), que ajudariam, na gestão destas escolinhas, propôs-se também construir uma vedação, e requalificar o poço, único local com água potável, mas actualmente apesar de inseguro, está coberto de impurezas, devido a estar a céu aberto. Mas, a continuidade do nosso trabalho e projecto, não fica por aqui, vamos pintar a escola, e dar-lhe outra dignidade, apetrechando-a de mobiliário que não dispoe.
Estes são os motivos da nossa missão.
Estes são os motivos de toda uma equipa, que troca as suas férias, para este contributo.
Assim que for assegurado o apoio financeiro, para a partida do contentor solidário, a equipa partirá, rumo a Cabo Delgado (norte de Moçambique).
(Veja o vídeo: Extracto do Documentário "Sonhos Frágeis" - 1ª Parte)